Livro: Eu Sei O Que Você Está Pensando

Sinopse: Uma carta perturbadora chega via correio com uma simples declaração ao final: “Veja como conheço seus segredos – apenas pense em um número.” Errará quem pensar que uma carta dessas chega a seu destino final apenas por obra do acaso. Para o detetive aposentado da polícia de homicídios da cidade de Nova York, Dave Gurney, que está formando uma nova vida ao lado de sua esposa Madeleine, as cartas começam a deixar de ser estranhas para se tornarem um complicado quebra-cabeça que levará a uma enorme investigação sobre assassinatos em série. Trazido para o caso como consultor, Gurney em pouco tempo percebe pistas que a polícia local deixou passar. Ainda assim, diante de um oponente que parece ter o dom da clarividência, Gurney vê seus esforços irem em vão, seu casamento rumando a um precipício e, finalmente, um medo incontrolável de que seu adversário não pode ser parado.

O autor agradecendo a seu editor no final por ele ter bolado o título perfeito para o livro.. e sem dúvida preciso concordar.. “Think of a Number” é tão sensacional quanto o título em português e ambos responsáveis pela minha atração em pegar para ler… e claro que também faz (ou fez a mim) você considerar uma linha de raciocínio para a história que simplesmente não acontece. Mas longe disso prejudicar ou atrapalhar.. e claro que tem muito a ver.. mas não é tanto a ‘chave do negócio’ por assim dizer.
“Quando você elimina o impossível, o que restar, por mais impossível que seja, deve ser a verdade.”
Assim que me livro de minha linha inicial… passo a me concentrar mais no que tenho pela frente.. e não foi tão fácil ao deparar com algumas ‘histórias paralelas’ com as explicações como as do Mellery.. talvez necessárias para enrolar o leitor, mas as vezes ficavam cansativas. O curioso também foi justamente isso.. mesmo cansando nem dava vontade de largar.. incrível, né?
“Todos racionalizamos nosso comportamento, por mais bizarro que seja. Todo mundo quer que suas justificativas sejam aceitas, até os perturbados mentalmente, talvez em especial os perturbados mentalmente.”
Não leio tantos livros do tipo quanto gostaria… mas quando leio e me prendem dessa forma é sensacional. Eu fico louca bolando minhas 1001 teorias e nunca deixo de ninguém de lado (eu tento não deixar….).. para mim até o protagonista é suspeito… O que me intriga e irrita em uma série de tv ou um filme ou livro é usarem o ‘culpado’ aquele que na verdade não tem muito a ver com a história.. ou o muito óbvio desde sempre ou o tipo ‘último a chegar’ e ai já fica na cara quem vão culpar para não incriminarem os ‘principais’. Logo, eu procuro dispensar para não me frustrar.. neste livro podíamos ter várias respostas.. e eu já sabia qual que ñ me agradaria.. é a solução do crime estar em uma critura ‘fulana’ nunca citada em todas as outras páginas do livro. A melhor parte foi ver eu chutando quem seria a verdadeira pessoa culpada.. mas depois a própria história e o autor fizeram eu acreditar que eu estava enganada… E no desfecho final colocou realmente a pessoa como a autora dos crimes. DEMAIS! Adoro ser surpreendida.. e mesmo com os problemas citados no início e outros não relevantes considero importantes na construção de todos os envolvidos: cenários e personagens, e com a reviravolta também fez aumentar meu rating.
“So há uma saída de um beco sem saída.”
Não sobra muito para detalhar aqui.. e nada do que escrevi acima atrapalhará sua leitura… acho que pelo contrário….. quem se arriscar a ler não irá se arrepender. E nem preciso saber o que você está pensando para acertar essa hiihih.
 Arte do livro / Capa e interior ★★★★
Tempo de leitura / Narrativa
Objetivo / Impacto 

Click Here to Leave a Comment Below

TOP