Filme O Doador de Memórias é uma boa adaptação?

Mês de setembro com mais uma estreia e o filme O Doador de Memórias é outra adaptação que precisei assistir.

Depois de destacar que o filme Se Eu Ficar era melhor que o livro, com O Doador de Memórias fiquei meio em dúvida sobre qual conseguiu contar melhor a história.

O Doador de Memórias Livro

Eu já havia comprado o livro O Doador. Lembro de ler a sinopse dele e com essa minha fascinação por distopias ter ficado com uma grande expectativa sobre ele.

O tempo passou e acabou que não li. O Doador é bem anterior a febre que virou histórias assim, mas os estúdios de cinema enfim resolveram fazer com que The Giver virasse filme.

Livro O Doador de Memórias

Aproveitando disso, a editora Arqueiro relançou agora como o livro O Doador de Memórias. E com um ebook em mãos eu resolvi ir conferir sem nem ter me ligado que era o mesmo do anterior.

[contextly_sidebar id=”5bbpYO4asrtUTpGC4cXNFRg885YYybQP”]Sinopse livro: Lois Lowry contrói um mundo aparentemente ideal onde não existe dor, desigualdade, guerra nem qualquer tipo de conflito. Por outro lado, também não existe amor, desejo ou alegria genuína. Os habitantes da pequena comunidade, satisfeitos com suas vidas ordenadas, pacatas e estáveis, conhecem apenas o agora – o passado e todas as lembranças do antigo mundo foram apagados de suas mentes. Uma única pessoa é encarregada de ser o guardião dessas memórias, com o objetivo de proteger o povo do sofrimento e, ao mesmo tempo, ter a sabedoria necessária para orientar os dirigentes da sociedade em momentos difíceis. Aos 12 anos, idade em que toda criança é designada à profissão que irá seguir, Jonas recebe a honra de se tornar o próximo guardião. Ele é avisado de que precisará passar por um treinamento difícil, que exigirá coragem, disciplina e muita força, mas não faz idéia de que seu mundo nunca mais será o mesmo. Orientado pelo velho Doador, Jonas descobre pouco a pouco o universo extraordinário que lhe fora roubado. Como uma névoa que vai se dissipando, a terrível realidade por trás daquela utopia começa a se revelar.

Que tema fascinante e que faz e muito refletirmos sobre a vida, as pessoas e o mundo. E a trama desenrola infelizmente muito rapidamente.

 Eu sentia que precisava de mais. Quando estamos no auge dos acontecimentos no livro ele simplesmente acaba.

E com isso você se pergunta será que apagaram suas memórias também? O que acontece afinal com Jonas? E com o resto do povo?

Felizmente descobri que o livro possui continuações, mas que nunca se preocuparam em lançar por aqui. Espero que agora façam isso.

Não é justo com a história em si ela terminar assim e nós ficarmos no escuro também.

Filme O Doador de Memórias

Filme O Doador de Memórias

Assim que terminei o livro eu fui conferir o trailer do filme O Doador de Memórias. Foi intenso aquilo e diferente também.

Mudaram a idade do protagonista, e acredito que para jogarem um romance básico no meio. Colocaram uma anciã ali com mais destaque e que parecia uma vilã.

Para mim foi possível aceitar, pois entendo que certos elementos precisam existir em um filme. E a beleza de tudo era eles usarem um ponto bem significativo do livro para que literalmente observássemos no filme.

A maior parte de O Doador de Memórias seria sem cor. Incrível! E a medida que Jonas consegue enxergar as cores, nós também vamos.

E quando falei daquela falta de final no livro, eu imaginei que no filme iriam explorar mais isso também.

Ai… não deu muito certo. Quer dizer está tudo lá, mas ficou meio vazio para quem não havia lido. E para quem leu ficou um pouco fraco.

A relação da ‘família’ é tão superficial no filme. Que não dá tempo de entender tanto assim como que aquilo funciona afinal.

Só conseguia achar que a ‘mãe’ era uma chata seguidoras das regras e o pai um bocó. E não era bem assim, mas eles não se preocuparam em tirar essa sensação para o telespectador.

Os ‘amigos’ tiveram um maior envolvimento no filme, mas mesmo assim não me perturbou. O romance não fazia sentido para mim (não da parte da Fiona) e o outro lá não entendi sua ‘motivação’. Afinal mudaram totalmente a personalidade dele.

No final do livro O Doador de Memórias a Taylor Swift teve até uma entrevista para falar sobre sua personagem no filme.

E eu podia jurar que era realmente uma grande participação, mas até mesmo no livro a Rosemary é contada de maneira rápida, no filme então nem dá para sentir nada sobre ela.

Ficaram usando tanto o nome da Taylor para apenas promover o filme.. é isso?

A relação com o doador é também interessante. Funcionou um pouco diferente no filme, mas não ficou totalmente comprometido com o enredo.

Porém foi o que eu disse não aproveitaram tanto quanto deveriam. As relações entre cada personagem deveriam ter sido melhor aproveitadas.

Eu falo isso principalmente pela cena que o Jonas assiste e que é quase o causador de sua atitude final. Quando acontece no filme, não causa nenhuma emoção. Uma pena.

Os grandes momentos que o filme O Doador de Memórias tem são as memórias sendo transmitidas. A edição que fizeram funciona incrivelmente na tela.

Não tem como você não ficar arrepiada e emocionada com a mensagem que a história quer passar. E tudo aquilo que envolvia dor, perda, alegria, nascimento, amor, tristeza, guerra etc foram muito bem retratados.

Filme O Doador de Memórias

Apesar de meio surreal, o diálogo entra a Anciã chefe e O Doador  é maravilhoso e ela é responsável por uma frase super inteligente que é algo que eu sempre acreditei também.

Essa parte cria um momento de tensão já que não existe no livro. Então você fica aguardando que algo possa ou não acontecer.

E mesmo assim o final do filme acaba sendo igual ao livro. Ok teve um complemento e as cenas que citei anteriormente que não permitiram que eu detestasse essa adaptação em si.

Achei muito parado e não acredito que vá agradar a todos. E sim todos vão comparar como um ‘molde de Jogos Vorazes’, porém adaptado de uma forma bem inferior.

O Doador de Memórias Trailer

Click Here to Leave a Comment Below

TOP